As empresas estão tristes.



As empresas estão tristes, as pessoas estão tristes, o ambiente está triste.

E não adianta buscar motivos pra justificar essa tristeza que reina nas conversas, nos dias de trabalho, nos negócios.

O porquê é bem simples: a gente não nasceu pra isso.


A gente não nasceu pra ficar longe.

A gente não nasceu pra ficar sem se tocar, pra se falar só por uma câmera.


A gente se adaptou, a gente aprendeu, a gente usa.

Mas a gente não nasceu pra isso.


Depois de mais de ano vivendo desse jeito, é natural o costume em conviver assim.

A gente já passou por estágios de esperança, de rebeldia, de raiva, de resiliência e vários outros.

Mas se você aí, assim como nós aqui, tem sentido uma tristeza rotineira, a gente quer te dizer que o motivo é esse: a gente não nasceu pra isso.


Seja na Fourge, onde o diferencial é a forma de operar focada na presença e na troca com pessoas, seja no seu negócio, que talvez nunca tenha se dado conta disso e agora percebe essa falta traduzida em forma de tristeza.



A gente ama tecnologia, ama tudo que facilita a nossa vida e recebeu de braços abertos as adaptações pra operar remoto. Mas a gente ama mais ainda as pessoas e o contato com elas.

A gente tá nesse momento de reflexão sobre tudo isso.

A falta de grana, a falta de vacina, a falta de esperança...tudo isso deixa os dias tristes.

Mas o que impera nessa tristeza aqui pra nós, é a falta de contato com pessoas.


Porque a gente não nasceu pra isso.


A gente gosta de gente.


E pra vocês aí, tá pegando isso também?


#homeoffice #pandemia #teletrabalho #trabalhoremoto #liderançaremota #gestãoremota #protagonismo #gestãoempresarial #modelodegestão #endomarketing #rh #pessoas #tristes #saúdemental

25 visualizações0 comentário