SOBRE
 

Somos apaixonados por pessoas e por negócios. Somos mais apaixonados ainda em ajudar pessoas a fazerem seus negócios serem mais fluídos, horizontais e propositivos.

  • Branco Facebook Ícone
  • Branca Ícone Instagram
  • Branca Ícone LinkedIn
  • Branca Ícone Spotify
  • Branco Twitter Ícone
  • Vimeo
CONTATO
 

Av. Coronel Lucas de Oliveira, 894

Petrópolis - Porto Alegre - RS

CEP 90440-010

contato@fourge.com.br

(51) 3574-0950

(51) 9 9376-0539

(51) 9 9833-2449

2018 © FOURGE | Todos os direitos reservados. 

Algoritmo de vida?

Atualizado: 7 de Nov de 2019


Pelo fim da cultura inútil!


Esses dias na fila do supermercado, entre chicletes e bombons para serem comprados de última hora, estavam algumas revistas sobre novelas. Um casal bem à minha frente comentou, entre mastigadas da ponta do pão francês, o seguinte: meu Deus, quanta cultura inútil.

Debruçado sobre o meu carrinho de compras, em silêncio, me peguei pensando em quanta-coisa-de-tudo-quanto-é-tipo já me ajudou na vida. Então propus mentalmente ao casal – que já tinha comido dois dos quatro pães - uma pergunta bem simples: como estaria o algorítimo de vida deles?


E o de vocês, que estão lendo aqui, como está?


Minha proposta é acabarmos com a cultura inútil, sem acabar com ela, mas exercitando um novo olhar sobre tudo o que nos rodeia.

Em tempos de redes sociais que alimentam nosso cotidiano, mas que se alimentam apenas do que o nosso próprio cotidiano diz à elas, é natural que a gente determine o que pode e o que não pode ser. Soma-se a isso a permanente consciência des-humana em sempre buscar “o meu” e não “o nosso”, e temos o cenário perfeito para uma vida singular, unilateral e uniforme. A nossa bolha querida.


E então, como está a sua disposição em ver o outro lado da vida?


Aqui vale contar um segredo: é extremamente desgastante tentar enxergar o outro lado. A nossa zona de conforto é algo como uma sexta-feira chuvosa com a temporada inédita da sua série favorita no Netflix, com quem você mais gosta no sofá, com tudo...e....iti malia!


É foda sair dela. Porque pra sair dela a gente se expõe, coloca à prova o nosso gran-mestre-conhecimento, se desgasta, fica com medo, e se dá conta que ninguém nos ensinou a fazer isso. Ora, nenhuma condição convidativa para esse exercício.


Mas aqui vale contar um segundo segredo: ninguém me convenceu ainda que a vida tem apenas um lado pra se viver.


Alguns chamam de desenvolver uma visão sistêmica, outros dizem que é ampliar a visão de mundo, outros que é aumentar o seu repertório. Eu chamo de o outro lado da vida. Esse outro lado pode ser uma viagem como voluntário para a Nigéria ou uma simples lida em uma revista de novelas.


Aliás, algumas vezes eu compreendo melhor o meu país lendo uma revista de novela do que assistindo a uma aula de história. (professores de história, vocês entenderam né? #pás).


Aos interessados eu já aviso que corremos um grande risco: o de nos darmos conta que tudo está absolutamente conectado nesse mundo e que, se nos permitirmos, o outro lado da vida vai sistematicamente começar a nos ajudar a resolver os nossos problemas. Ou você ainda acredita, por exemplo, que criatividade é um dom divino para quem cursa Publicidade e Propaganda? Acorda, filho!


E claro...com o outro lado da vida vem a tão famosa-querida-best-seller-dos-RHs: a empatia.

Porque eu não consigo saber como é o outro lado da vida apenas olhando de longe ou debatendo em textos mal escritos como esse. Levanta pra cuspir, filha!


Pelo fim da cultura inútil.

E pelo começo da jornada para o outro lado da vida. Texto por Eduardo Lopes

21 visualizações