7 tecnologias de Saúde que apoiam a personalização do cuidado

Wearables, IA e genômica prometem transformar a medicina, mas dependem de um fator fundamental que não está ligado à tecnologia. A gente te explica neste conteúdo


A personalização do cuidado está em dez entre dez listas de grandes tendências da Saúde para os próximos anos. Ela leva em consideração não apenas os sintomas físicos de uma doença já estabelecida, mas também características genéticas, de ambiente, culturais, condições socioeconômicas e de saúde mental dos indivíduos, proporcionando uma jornada de cuidado que depende não só dos profissionais de saúde, mas também das pessoas.


Para tornar a personalização uma realidade, muitas organizações apostam em tecnologias de Saúde que têm como foco principal a coleta e o tratamento dos dados dos indivíduos. São essas informações, em alguns casos coletadas quase que diariamente, que proporcionam um plano de cuidado que atende as características de cada indivíduo, permitindo, inclusive, prever patologias antes mesmo que elas apareçam. Muito mais a cara da saúde que a gente quer e precisa.


Então é só investir em tecnologia que a personalização do cuidado está garantida?


A coisa é um pouco mais complexa e por isso a gente faz questão de te lembrar: o diferencial na adoção de uma jornada de cuidado personalizada é justamente o modelo de gestão. Sem transformá-lo, com planejamento, estratégia, processos e pessoas voltadas para a personalização, as tecnologias até podem ajudar, mas o propósito de cuidar da vida da forma individualizada como ela é segue em segundo plano.



Com isso em mente, abaixo a gente detalha sete tecnologias na Saúde que vêm sendo muito utilizadas mundo afora para ajudar a personalizar o cuidado. Conheça:


(1) Wearables e (2) dispositivos móveis para rastrear métricas de saúde pessoal

O mundo está na palma das nossas mãos. Com nossos smartphones organizando grande parte de nossas vidas, é óbvio que também queremos cuidar da nossa saúde por meio dos aparelhinhos. Há apps que nos auxiliam na dieta, na atividade física, na qualidade do sono, no acompanhamento do ciclo para as pessoas que menstruam, entre outros. Aliados aos wearables devices, como pulseiras, relógios, etc, já somos capazes de coletar e monitorar nós mesmos métricas importantes, como número de passadas, batimentos cardíacos, pressão arterial, etc. Mas cá entre nós: as organizações de saúde ainda não sabem muito bem o que fazer com essa quantidade enorme de dados que a gente disponibiliza pra elas, tá?


(3) Big data e (4) inteligência artificial para apoiar a tomada de decisão

É aqui que entra a capacidade de pegar essa grande massa, o big data, e trabalhá-la por meio de uma ferramenta como a inteligência artificial. O objetivo é cruzar dados que possam indicar anomalias, trabalhando para prevenir que elas se transformem em doenças. Esse ainda é um dos grandes desafios enfrentados pelas organizações de saúde atualmente: transformar a enorme quantidade de dados que coletamos, e que vem dos mais variados dispositivos, em informações que possam ser “lidas” pelos médicos e, assim, apoiar a tomada de decisão desses profissionais.


(5) Plataformas integradas e (6) serviços em nuvem para facilitar o acesso aos dados

Integrar os sistemas e disponibilizar os dados na nuvem é uma das tecnologias na Saúde que são básicas para quem quer trabalhar com personalização. Isso porque os dados precisam estar disponíveis em qualquer lugar e momento no qual eles forem necessários. Isso significa que se o indivíduo passa por uma teleconsulta, por exemplo, as informações coletadas pelo médico nessa ocasião precisam ser disponibilizadas caso, dias depois, ele dê entrada em uma emergência, por exemplo.


(7) Genômica para prevenir doenças

Análises de DNA são uma das grandes promessas da medicina na personalização do cuidado. Isso porque elas nos mostram tendências de possíveis doenças às quais o indivíduo pode estar sujeito ao longo da vida, possibilitando que sejam adotados hábitos e mesmo feitos tratamentos que impedem que essas patologias se manifestem ou se agravem. O desenvolvimento dessa tecnologia permite que os testes fiquem cada vez mais acessíveis, mas a gente precisa lembrar: não é só a genética que determina a saúde de uma pessoa, tá?


Se você precisa de ajuda para virar a chave e transformar o seu modelo de gestão na Saúde, fale com a gente.


Leia também:


Se não somos todos iguais, o modelo de saúde também não pode ser


Descrição da imagem: card em tons de verde mostra um homem de blazer preto carregando uma bandeja como se estivesse servindo clientes em um restaurante, juntamente com a frase "7 tecnologias para personalizar o cuidado - e um bônus pra transformar de vez a Saúde".

9 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo